quinta-feira, 9 de julho de 2015

A Vingança da Mulher de Meia-Idade - Resenha

E aí persons leitores amados deste blog!!!

O livro que vou trazer aqui hoje é um livro que ganhei do meu pai, ele foi fazer compras, tinha um tanto de livro lá, ele pensou: por que não comprar este livro para a hija? Comprou, fiquei feliz, afinal, NÉ, A PESSOA QUIS TE DAR UM LIVRO, QUE AMOR DE PESSOA.

É um romance de Elizabeth Buchan. Mesmo sendo um romance esse título sugere algo inusitado que tem a ver com crimes. Mas realmente é só um romance, não tem nenhum crime.



Conta a história de uma editora literária de um grande jornal chamada Rose Lloyd. Ela é uma mulher de meia-idade (como o título nos traz), casada há vinte anos com um marido excepcional chamado Nathan e tem com ele dois filhos, Sam e Poppy com suas vidas em seus rumos, formadas. Enfim, uma família já sólida.

Estava tudo perfeito. Rose ali cuidando de suas plantas como se fossem filhas, no seu adorado jardim, uma casa grande onde criou os filhos com Nathan, enfim, perfeito. Perfeito demais. Tem que ter um porém nessa história (porque a vida é assim).

Um dia, seu amadíssimo marido Nathan simplesmente diz pra ela: "olha, foi muito bom ficar com você, mas eu to amando outra mulher mil vezes mais nova". Claro, com outras palavras. Rose começa a pensar que é brincadeira e tal, depois cai a ficha e fica: "meu Deus, comoassim".

Aí começa, gente, um processo meio de depressão, sabe? Você fica triste junto com a mulher, você chora pelo Nathan junto com ela (não, brincadeira rsrs). Quando a história é interessante, embarcamos nela. Quando é uma guerra, atiramos e matamos e nos esquivamos junto com o personagem; quando é um conto de fadas cantamos, dançamos e sofremos junto com o personagem e eu nunca tinha ficado depressiva junto com a persongem. Novidade. Muito doido.

E sabe quando a sua vida ta na pior e vem coisas umas atrás das outras fazendo um bolo de neve de coisas ruins acontecendo? É a vida de Rose Lloyd. Olha só o que temos na contracapa no finalzinho: "A rival de Rose é nada menos que sua assistente na redação - a sexy e ambiciosa Minty -, que, para a surpresa maior de Rose, também irá substituí-la no jornal". Vish. Treta maligna.

É claro, não é legal ficar lendo um livro onde só acontecem desgraças na vida do personagem. O legal mesmo é ver o personagem se desdobrando para desfazer o bolo ruim, para viver de novo, para sair dessa zona de depressão. Realmente, a gente vai se sentindo aliviado, vai se sentindo melhor.
Eu mesma na hora que tava lendo, estava tão presa na história, querendo saber o final e qual era essa vingança de que o título tanto fala que postei assim no facebook:

"A Vingança da Mulher de Meia-Idade tomando conta de minhas noites todas! =O =O =O"

Postado em 09 de agosto de 2013 e está lá até hoje. u_u

Bom, leitoria, muito obrigada pela atenção, leiam o livro que é bom, boa leitura e voltem sempre!
Isabella Revert

quarta-feira, 8 de julho de 2015

Livro que adiciona conhecimento #2 (Laços de Fogo)

Primeiro livro: Sangue e Gelo.

O próximo livro muito interessante a respeito de conhecimentos que a história nos adiciona é Laços de Fogo da Trilogia da Fraternidade, Nora Roberts.



A Trilogia conta, em cada livro, a história de cada uma das irmãs Concannon. Eu diria, na verdade, o final feliz de cada uma das irmãs. E, neste primeiro livro entitulado Laços de Fogo (título este que resume a personalidade e características físicas da personagem), a história contada é a de Maggie Concannon.

"Talentosa, solitária, teimosa e dona de um espírito libertário, Maggie Concannon é uma artista especializada na arte em vidro, cujos trabalhos sensíveis são muito mais do que meros objetos de beleza, mas reflexos de sua verdadeira natureza. [...]"

O que temos nesse livro é muito mais que uma artista, é a própria arte. A arte em vidro, arte que muitos conhecem, mas não dão bola, é singular, é exigente, é única e muito sensível. Entramos, juntamente com o livro, no universo do vidro, suas formas e cores que ele pode atingir usando os elementos químicos específicos. Há beleza nesse livro para essa arte.



Claro que o livro não é só isso (mas se fosse não teria nenhum problema). Conta a dificuldade com que Maggie aceita seus próprios sentimentos em relação à perda do pai e o encontro de um homem em especial que vai mudar sua vida.

"[...] Surge então um homem, o marchand Rogan Sweeney, que percebe a alma e a pureza de sua arte e se propõe a ajudá-la a construir uma carreira de sucesso. Quando Rogan chega ao isolado estúdio de Maggie, o coração dela se inflama com a arrebatadora atração que surge entre eles... e seu passado sombrio será iluminado por um amor tranquilo, gentil e complacente."

Bem, isso foi um pouco exagerado... hehe. Maggie é muito difícil, não quer aceitar Rogan na sua vida assim de primeira... Ela é realmente muito teimosa e muito cheia de si, não precisa de ninguém. Esse Rogan, hein, vai ter que insistir muito. E a insistência dele é muito boa de acompanhar.

Eu recomendo esse livro pelos conhecimentos a se adquirir com a arte no vidro, mas recomendo mais para maiores de 14 anos por algumas ceninhas um pouco, eér... adultas. Pode não ser um livro muito atraente para menores de 14 anos, às vezes a história iria ser deixada de lado, então... melhor não.

Mas é bom pelo lado da arte. É um livro BEM romântico, então, quem quer mesmo saber vai ter que aguentar kkkkk. E alguns vão amar justamente por isso.

Tenho que ser justa e dizer que da trilogia, o primeiro livro é muito bom, o segundo é bom também, mas não gostei muito do terceiro, isso vai de cada um.

Acho que gostei mais do primeiro justamente pela arte no vidro. =D

Então é isso, pessoas, até a próxima.
Isabella Revert

terça-feira, 7 de julho de 2015

Livro que adiciona conhecimento #1 (Sangue e Gelo)

Olá pessoal, boa noite (no meu caso que são 22h48min).

Estou aqui para recomendar alguns livros que tenho e que para mim foram interessantes. Eles têm uma característica em especial: podem ter histórias comuns, mas ensinam algo, nos dão alguns conhecimentos a mais.

Por exemplo, o primeiro: Sangue e Gelo, Robert Masello. Talvez você não o queira ler de início, trata-se de um romance vampiresco. Mas é M-U-I-T-O M-E-L-H-O-R que muitos por aí. A história perpassa pelos anos 1850 e os anos atuais, contando histórias diferentes, de personagens diferentes, de momentos diferentes, os personagens têm profissões diferentes, enfim, os de 1850 e os de hoje em dia não têm nada a ver. Bem, não eram pra ter nada a ver, se não fosse algo que aconteceu lá em meados de 1854, numa guerra.



Os personagens principais são Sinclair Archibald Copley, do 17º Regimento de Lanceiros do Exército inglês, e Eleanor Ames, a enfermeira da equipe pioneira de Florence Nightingale, de 1850 e Michael Wilde, o fotógrafo, do tempo atual. Michael sai rumo à Antártica onde pretende conseguir fotos raras e diferentes das suas costumeiras, que tenham animais exóticos, paisagens únicas, enfim, coisas que jamais tivera a oportunidade de ver na vida.

Durante um de seus cliques únicos, algo num iceberg debaixo d'água com formato humanoide lhe chamou a atenção. Eram dois corpos trajando roupas vitorianas, preservados dentro de um bloco de gelo. O que acontece após esse gelo derreter?

O interessante do livro é o linguajar biológico ali contido. Sempre falando de células, hemáceas e como acontecem alguns processos. Acrescenta muito no aspecto de conhecimento de biologia mesmo, dos corpos, enfim...

Calma, para os mais sensíveis, não tem nada muito traumatizante... Quer dizer... Se você é sensível e começar a ler sobre pacientes muito doentes depois de uma guerra, pare, pule, mude de capítulo. ;)

Leiam, pessoas! Esse livro é bom de-mais! A parte vampiresca da vida do livro é tão pouca comparada com os conhecimentos ali presentes, os anos 1850 contados ali, o passado e o presente... Ai ai, bom demais!!!

Esse livro é tão bom! *o* Acho que vou ler de novo. E não existe homem mais lindo e mais cavalheiro no mundo que Sinclair. Ah, Sinclair! s2 <3

E que capa é essa? Eu tinha escolhido esse livro na livraria pela capa (admito!) e não me decepcionei. É linda!!! Super aconselho, super recomendo o livro. Beijinhos!
Isabella Revert

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Prince of Thorns - Resenha

“Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor”
A Flor e o Espinho ~ Paulinho Moska

Livro do qual estou me referindo: Prince of Thorns, Mark Lawrence. É o primeiro livro da Trilogia dos Espinhos, um anti-heroi. Primeira vez que li um livro anti-heroi então sou um pouco suspeita pra falar se é booooom mesmo. Eu gostei muito, mas era o primeiro, então...


O livro começa com a triste história de um príncipe de dez anos que assistiu à morte de sua mãe e de seu irmão mais novo e não pôde fazer nada para ajudá-los ou impedir os assassinos ou se oferecer no lugar deles ou pelo menos ficar do lado deles e dizer “eu estou aqui também”. Ele se sentiu um covarde, mas não podia fazer nada já que foi jogado num pé de roseira-brava e ficou preso pelos espinhos da mesma, espinhos que o manteve ali por todo o acontecimento dos assassinatos. Viu o sangue da sua mãe ser tirado de seu corpo por meio de espadas, viu como os brutamontes separaram seu irmãozinho em partes sem o menor escrúpulo.

A história não é de ordem cronológica. Tem flashbacks que acabam na história por algum acontecimento atual parecido com um antigo. O príncipe, Honório Jorg Ancrath, ou somente Jorg, sai de Ancrath com o propósito de vingar a morte de sua mãe e irmão, matar o Conde Renar.

A história acontece pelas estradas do Império Destruído que possui muita magia e mistério. O príncipe sai com seus “irmãos” pelas estradas destruindo cidades e matando pessoas, mas ele não entende por que faz isso. Isso o diverte, mas seu propósito não era esse.

Acho que o mais interessante é você ler e ver como o personagem tem vontade, e pra ele é melhor, de matar, quando ele leva a cabeça de suas vítimas com ele. Doidera.

à ATENÇÃO, SPOILER!
Vish, to com medo de contar mais coisas, mas, resumindo, em um certo ponto de sua trajetória ele mata alguém. Esse alguém tem uma magia. Aí o príncipe faz uma coisa com o corpo desse alguém e o príncipe acaba por ter ele mesmo alguma magia muito louca que fala com os mortos. Depois disso, ele lembra de seu propósito e decide voltar para matar o Conde Renar, como iniciamente ele pretendia. Em seu território, as Terras Altas do Conde Renar, ele descobre como acabou tendo que mudar seus propósitos por causa de outra pessoa lá que também tinha magia. Contei quase tudo. Nem contei. u_u
à FIM DO SPOILER!

E então? Jorg descobre o que o fez mudar seu propósito? Jorg consegue as magias muito loucas para si? Jorg mata o assassino de sua mãe e seu irmão? E seu pai? Cadê ele nessa história que eu não disse porque tava com muita cara de spoiler e eu acho que já falei demais? E os outros livros? Não sei, to começando o segundo... Como pode uma criança de 10/14 anos (por causa dos flashbacks) fazer tanta coisa e matar tanta gente? Sexta, no Glob... Nãaaao.

Leia o livro, gente, per favore. Se você não se interessou por ele lendo minha “resenha”, leia outras resenhas dele, a história é muito interessante e muito boa e muito meu-Deus-não-consigo-mais-viver-sem-ler-mais-20-capítulos-hoje. =D

Então, boa leitura.
Um abrass dessa girl aqui!
Isabella Revert

terça-feira, 8 de julho de 2014

Resenha - Eragon






    O livro conta a história de Eragon , um menino pobre que vive em uma fazenda próxima de Carvahall  no vale Palencar junto com seu tio Garrow e seu primo Roran, Eragon é órfão e foi entregue por sua mãe para ser criado por seus tios quando ainda era um bebê. Eragon ajuda no sustento de sua casa caçando, para isso ele vai até um conjunto de montanhas chamadas de Espinha  (este local é temido por todos porque é dado como amaldiçoado e todos que vão para lá se perdem ou algo de ruim acontece com eles) , mas como Eragon é um menino muito corajoso, aventureiro e precisa levar a carne para ter o que comer, ele é a única pessoa que tem coragem de andar pela Espinha e conhece muito bem aquelas montanhas.
    Um dia quando Eragon foi caçar na Espinha, ele encontrou uma pedra muito estranha e depois de ficar com receio chegou perto da pedra e decidiu levá-la com ele, como não conseguiu caçar nada ele a levou para o açougueiro de Carvahall mas depois de saber que ela veio da Espinha o açougueiro o expulsou de seu açougue. Quando chegou em casa mostrou a pedra para seu tio e seu primo e eles disseram que talvez ela poderia ter algum valor . Chegaram os mercadores na cidade e quando Garrow e Eragon perguntaram sobre a pedra eles disseram que ela era sem valor, apesar de ser muito bem lapidada e era oca por dentro. Eragon  fica triste mas decide continuar com a pedra e a guarda junto com outras que ele coleciona. Porém, passados alguns dias que ele encontrou a pedra, ele ouve um barulho estranho durante a noite mas como não vê nada de estranho em seu quarto, volta a dormir. No dia seguinte Eragon continua a ouvir os mesmo ruídos estranhos e vê um filhote de dragão em seu quarto. Apesar do receio ele toca o dragão e uma marca prateada  que depois ele descobre q se chama gedwey ignasia surge em sua mão. Eragon decide levar seu dragão para longe e cuidar dele escondido de seus familiares.

     Seu primo Roran é apaixonado pela filha do açougueiro de Carvahall : Katrina e depois de se declarar para ela, ele decide ir para outra cidade arrumar um emprego  de ferreiro  para conseguir juntar dinheiro e se casar com ela.  Após que seu primo partiu, Eragon era a única pessoa que poderia ajudar Garrow com os trabalhos da fazenda. Todos os dias Eragon cumpria suas tarefas na fazenda  o mais rápido possível e ia ver e alimentar seu dragão. Logo eles ficaram muito amigos e Eragon descobriu que poderia conversar mentalmente com ele.

     Em Carvahall existe um contador de histórias chamado Brom e no dia em que Eragon estava lá ele contou a história dos Cavaleiros de Dragões que era a preferida de  Eragon. Ele pergunta para Brom sobre os nomes de dragões e depois vai até seu dragão e sugere alguns, mas ele não gosta de nenhum, então Eragon percebe que seu dragão é fêmea e dá a ela o nome de Saphira.
     Porém estranhas criaturas vão até a fazenda de Eragon e colocam fogo em tudo, Saphira leva Eragon com ela mas ele se machuca durante o voo e quando ele volta, descobre que sua casa foi queimada e seu tio está a beira da morte. Brom vai atrás de Eragon e ele percebe que Brom não é apenas um contador de histórias e ele sabe muito sobre dragões.. Depois de se recupera um pouco, Eragon visita seu tio mas as feridas dele não curam com o tempo e depois de alguns dias ele morre.
     Eragon decide vingar seu tio das criaturas que o matarm que se chamam Ra’zac, mas Brom o segue e vai junto com ele atrás de vingança. Briom ensina tudo o que sabe sobre os dragões e os Cavaleiros de dragões para Eragon e também o ensina a usar e dominar a magia e as palavras da língua antiga ( que são as palavras usadas para fazer magia) e também o ensina a lutar e se defender com a espada. Eragon vive suas aventuras mas vários acontecimentos sempre mudam o rumo de sua jornada, dificultando sua busca por vingança e sua corrida contra o Império que quer forçar os Cavaleiros a trabalharem para ele.

terça-feira, 21 de janeiro de 2014

WAKE - Resenha


Então, acorde-me quando tudo estiver acabado
Quando eu for mais sábio e mais velho.
Todo este tempo eu estava procurando por mim mesmo

E não sabia que eu estava perdido”
Wake me up ~ Avicii


Resolvi que começarei as postagens de resenhas com músicas que tenham a ver com o livro do qual falarei sobre.


Então geeeeente! ^^
Bom, continuando com essa história de resenhas, hoje mostrarei o interior de outro livro: WAKE, Lisa McMann.






Pode ser que a maioria de vocês já tenha lido esse livro e eu adoraria contar sobre livros novos, mas infelizmente isso é uma coisa que realmente não dá pra fazer nas minhas condições financeiras atuais. u_u
Você percebe pela escrita que Lisa é uma pessoa muito gente boa. Muitas gírias, alguns palavrões (tipo merda... É mais leve que certas coisas) e um jeito de descrever completamente coloquial! Aaaaah! *-* Amo a escrita de Lisa McMann!

Bem, falando da história: a personagem principal é Janie. Janie é uma garota de 17 anos e que convive com um problema que ela não sabe pra quem tem, por que acontece com ela e não sabe se é uma coisa boa. Com tantas dúvidas, isso só pode ser uma coisa ruim mesmo: quando está no mesmo lugar que outra pessoa e a mesma está dormindo, Janie “rapta” o sonho desta pessoa. É como se ela fosse sugada para o sonho da outra pessoa e ela não pode contestar, não pode só querer não ser sugada. Ela é. E isso causa problemas físicos nela, a garota fica cansada, com dores no corpo e com uma baita fome.

Gente, ta muito difícil continuar sem contar a história pra vocês. =O
*Tentando*
(Se eu contar, pode deixar que aviso que tem Spoiler, mas ainda não tem)
Enfim, Janie começa a gostar de um cara: Cabel. Mas ela sabe que não pode ficar tão próxima de uma pessoa como num relacionamento amoroso porque ele pode acabar descobrindo o que ela tem e achar que ela é uma aberração.
Janie passa a encontrar Cabel e passa a gostar dele ainda mais só que ele anda saindo com outra garota! Ao mesmo tempo que está com ela! Ela não acha certo e se pergunta se ele anda certo dos parafusos porque ele sai com a outra e fala para Janie que só gosta dela (dessa última).
Que confusão!!!
Então ela começa a se afastar desse Cabel horrível que destroi os sentimentos. O que ela não sabe é que isso só faz com que Cabel se sinta mal.
Então Cabel resolve abrir o jogo: conta a Janie que não gosta da outra, só está com ela porque é seu trabalho. E isso soou muito estranho. Ele disse que precisa descobrir alguma coisa sobre drogas...


E eu já contei demais! Gente, parece uma historinha qualquer de amor entre uma sobrenatural e um cara normal, mas é super interessante! Acreditem, não é só sobre o romance e a confusão que o trabalho de Cabel faz, mas tem muita coisa louca lá na história. 
E tem a ver com o trabalho de Cabel e as visões da Raven, ou melhor, os sonhos que Janie “pega”. u_u



Muito bem. Muito obrigada pela atenção. Comentem pra caramba. ^^

Isabella Revert

sábado, 18 de janeiro de 2014

O Jogo do Anjo - Resenha



Olá pessoas do blog *-* Fiquei tipo só um ano sem postar nada né?
(Isso é o que acontece quando você some do mundo: Vívian? É você? )


Mas tudo bem, como Isabella falou na postagem da resenha anterior, a gente agora vai postar sobre livros e resenhas já que gostamos muito de ler e entendemos de livros e compartilhamos desse mesmo gosto.  u_u

Bem, o livro que venho resenhar aqui  é o segundo livro da trilogia O Cemitério dos Livros Esquecidos ( que é uma trilogia que eu gosto muito) do autor espanhol Carlos Ruiz Zafón. A primeira coisa que gostaria de deixar claro antes de falar dos livros de Zafón é falar de sua escrita: Zafón é um autor que usa da linguagem formal, mas seus livros também têm a linguagem informal, principalmente nas falas dos personagens. Esse autor é um dos meu preferidos, se não for o preferido, pois suas histórias prendem a atenção do leitor pelo mistério, ação, aventura, romance, ficção ( isso mesmo, o autor mistura vários gêneros em suas  histórias e isso faz com que elas sejam únicas).